Águas de março em francês

www.stockfreeimages.com
http://www.stockfreeimages.com

E quem não conhece essa música?

Esta é uma adaptação da música de Tom Jobim.

O texto é apenas para quem não lembra direito da música, mas não é possível comparar todas as partes, já que a música foi adaptada.

 

Les Eaux de Mars (Chanteur Georges Moustaki) Águas de Março (música de Tom Jobim)
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine, É pau, é pedra, é o fim do caminho
Un reste de racine, c’est un peu solitaire, É um resto de toco, é um pouco sozinho
C’est un éclat de verre, c’est la vie, le soleil, É um caco de vidro, é a vida, é o sol
C’est la mort, le sommeil, c’est un piège entr’ouvert. É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
Un arbre millénaire, un noeud dans le bois, É peroba do campo, é o nó da madeira
C’est un chien qui aboie, c’est un oiseau dans l’air, Caingá, candeia, é o Matita Pereira
C’est un tronc qui pourrit, c’est la neige qui fond, É madeira de vento, tombo da ribanceira
Le mystère profond, la promesse de vie. É o mistério profundo, é o queira ou não queira
C’est le souffle du vent au sommet des collines, É o vento ventando, é o fim da ladeira
C’est une vieille ruine, le vide, le néant, É a viga, é o vão, festa da cumueira
C’est la pluie qui jacasse, c’est l’averse qui verse É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Des torrents d’allégresse, ce sont les eaux de mars. Das águas de março, é o fim da canseira
C’est le pied qui avance, à pas sûr, à pas lent, É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
C’est la main qui se tend, c’est la pierre qu’on lance, Passarinho na mão, pedra de atiradeira
C’est un trou dans la terre, un chemin qui chemine, É uma ave no céu, é uma ave no chão
Un reste de racine, c’est un peu solitaire. É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
C’est un oiseau dans l’air, un oiseau qui se pose, É o fundo do poço, é o fim do caminho
Le jardin qu’on arrose, une source d’eau claire, No rosto o desgosto, é um pouco sozinho
Une écharde, un clou, c’est la fièvre qui monte, É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
C’est un compte à bon compte, c’est un peu rien du tout. É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
Un poisson, un geste, comme du vif argent É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
C’est tout ce qu’on attend, c’est tout ce qui nous reste, É a luz da manhã, é o tijolo chegando
C’est du bois, c’est un jour le bout du quai, É a lenha, é o dia, é o fim da picada
Un alcool trafiqué, le chemin le plus court. É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
C’est le cri d’un hibou, un corps ensommeillé, É o projeto da casa, é o corpo na cama
La voiture rouillée, c’est la boue, c’est la boue. É o carro enguiçado, é a lama, é a lama
Un pas, un pont, un crapaud qui coasse, É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
C’est un chaland qui passe, c’est un bel horizon, É um resto de mato, na luz da manhã
C’est la saison des pluies, c’est la fonte des glaces, São as águas de março fechando o verão
Ce sont les eaux de mars, la promesse de vie. É a promessa de vida no teu coração
Une pierre, un bâton, c’est Joseph et c’est Jacques, É uma cobra, é um pau, é João, é José
Un serpent qui attaque, une entaille au talon, É um espinho na mão, é um corte no pé
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine, É pau, é pedra, é o fim do caminho
Un reste de racine, c’est un peu solitaire. É um resto de toco, é um pouco sozinho
C’est l’hiver qui s’efface, la fin d’une saison, É o inverno que passa, o fim de uma estação
C’est la neige qui fond, ce sont les eaux de mars, É a neve que derrete, são as águas de março
La promesse de vie, le mystère profond, A promessa de vida, o mistério profundo,
Ce sont les eaux de mars dans ton coeur tout au fond. São as águas de março no fundo do seu coração
E pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho…
Un pas, une pierre, un chemin qui chemine, E pau, é pedra, é o fim do caminho
Un reste de racine, c’est un peu solitaire. É um resto de toco, é um pouco sozinho…
Anúncios

Blog no WordPress.com.

Acima ↑